Atividades Preparatórias

60 Minutos de Ciência

O Fogo é apresentado nas suas vertentes menos conhecidas. As espécies florestais portuguesas e as suas adaptações ecológicas ao fogo. Será o Fogo uma surpresa para os nossos ecossistemas? O Pinheiro, o Eucalipto e o Sobreiro. O que conhecemos da sua ecologia? Como podemos gerir as nossas florestas num ambiente com fogo? Que novos desafios criam as alterações climáticas? O futuro da nossa floresta e das interfaces urbano-florestais.

Sessão incluída no programa “Ciência e património: Cidades do futuro?”, preparatório da Noite Europeia dos Investigadores (28 set 2018).

Breve nota biográfica sobre o orador: Francisco Castro Rego é Professor Associado do Instituto Superior de Agronomia (ISA), da Universidade de Lisboa. Foi Presidente do ISA, Director da Estação Florestal Nacional, Presidente do Instituto Florestal Europeu, e Director Geral dos Recursos Florestais. Foi coordenador do maior projecto Europeu na área dos Fogos Florestais (o FIRE PARADOX). É coordenador do Centro de Ecologia Aplicada Baeta Neves e sub-Director do InBIO. Fez parte da Comissão Técnica Independente que analizou os incêndios de 2017. É actualmente presidente da Associação Natureza Portugal, associação filiada na WWF. É actualmente Professor de Ecologia da Paisagem com colaborações na Universidade de Idaho (EUA) onde tem colaborado no ensino e investigação.

Organização | MUHNAC-Ulisboa

Local da atividade | Sala Vandelli, MUHNAC

Informações e Inscrições | geral@museus.ulisboa.pt / 213 921 808
Já ouviu falar em briozoários? Sabia que há 22 milhões de anos existiam recifes em Lisboa? Venha encontrar-se connosco no Geomonumento da Rua Sampaio Bruno. Em conjunto, vamos viajar a um passado tropical de Lisboa e descobrir que nem só de corais são feitos os recifes.

Organização: MUHNAC-ULisboa

Local | Rua Sampaio Bruno, junto ao nº 15, frente ao cruzamento com a Rua Coelho da Rocha, Campo de Ourique, Lisboa.

Atividade gratuita mediante inscrição (máx. 20 pessoas/por sessão).

Informações e Inscrições | geral@museus.ulisboa.pt / 213 921 808
Percurso pela ruas de Lisboa a partir do Museu Nacional de História Natural e da Ciência que pretende despertar os participantes para a Geologia em seu redor e em que conhecerão a Geologia e a Geomorfologia da capital, incluindo histórias e relatos do sismo que devastou a cidade a 1 de Novembro de 1755.

Local| Átrio do Museu Nacional de História Natural e da Ciência.

Atividade gratuita mediante inscrição (máx. 20 pessoas/por sessão).

Informações e Inscrições | geral@museus.ulisboa.pt / 213 921 808

Que plantas podemos especular para o futuro tendo em conta a investigação científica face às alterações globais? Como reconhecê-las no Jardim Botânico de Lisboa?

Local | Jardim Botânico de Lisboa, Museu Nacional de História Natural e da Ciência.

Atividade gratuita mediante inscrição (máx. 25 pessoas/por sessão).

Informações e Inscrições | geral@museus.ulisboa.pt / 213 921 808

60 Minutos de Ciência

Portugal possui o mais rico e diversificado Património Hidrotermal da Península Ibérica. A água é, por si só, um dos recursos primários e fundamentais à existência de vida, pelo que importa compreender onde e como existe, como interage com o solo e com a floresta, e como a tratamos, pois sem este conhecimento não conseguimos assegurar a sua exploração sustentável.

Enquanto Património, a água mineral natural e termal reflete-se em áreas com elevada importância social e económica, nomeadamente no Turismo, Saúde e do Bem-Estar com a prática do Termalismo, e também na Arquitetura, como são exemplo as Termas romanas de Cabeço de Vide.

Durante a sessão, iremos olhar a água enquanto recurso e enquanto Património, dedicando especial atenção à água mineral natural e termal de Cabeço de Vide procurando, através de pequenas demonstrações, descobrir o que faz dela tão singular para ter despertado o interesse da NASA.

Sessão incluída no programa “Ciência e património: Cidades do futuro?”, preparatório da Noite Europeia dos Investigadores (28 set 2018).

Nota biográfica sobre o orador | Carla Sofia Rocha, é natural de Ílhavo, distrito de Aveiro. Com formação académica em Geologia pela Universidade de Coimbra (Licenciatura e Mestrado), é doutoranda da Universidade de Lisboa-IST em Georrecursos com Bolsa Individual de Doutoramento financiada pela FCT. Em todo o seu percurso académico foi colaboradora e monitora nos Museus de Ciência e História Natural da Universidade de Coimbra na área das Geociências, tendo participado ativamente em vários projetos de investigação e cooperado em trabalhos de investigação ligados à hidrogeologia, como por ex. nas lagoas de Quiaios e Tocha, águas mineralizadas de Montouro e nas àguas minerais naturais termais das Corgas do Buçaco. Atualmente estuda a água mineral natural e termal de Cabeço de Vide, uma água com características únicas em Portugal e raras no mundo.

Local | Edifício do Caleidoscópio, no Jardim do Campo Grande.

Informações e Inscrições | geral@museus.ulisboa.pt / 213 921 808

O Banco Português de Germoplasma Vegetal - INIAV (BPGV-INIAV) é a entidade nacional responsável pela conservação dos recursos genéticos vegetais para a Alimentação e Agricultura. Conservar é também colher, avaliar e documentar, garantindo que estes recursos são mantidos para as gerações vindouras.

A participação na atividade é gratuita, mas requer inscrição prévia através deste link.

Local | Banco Português de Germoplasma Vegetal - INIAV , Quinta de S. José, S. Pedro de Merelim, Braga.

A Noite Europeia dos Investigadores é um projeto financiado pela Comissão Europeia no âmbito das ações Marie Skłodowska Curie.
Visita ao Espólio de Farmácia do Palácio do Raio e Palestra 'A Aventura de descobrir Novos Medicamentos”.

Local | Palácio do Raio, Braga.

A participação na atividade é gratuita, mas requer inscrição prévia através deste link.

 

A Noite Europeia dos Investigadores é um projeto financiado pela Comissão Europeia no âmbito das ações Marie Skłodowska Curie.
Saída de Campo “Geologia do Maciço de Morais: percurso no Geoparque Mundial UNESCO Terras de Cavaleiros”. Local |  Macedo de Calaveiros. Itinerário e recomendações geraisA participação na atividade é gratuita, mas requer inscrição prévia através deste link.
A Noite Europeia dos Investigadores é um projeto financiado pela Comissão Europeia no âmbito das ações Marie Skłodowska Curie.

Biobuscas, que espécie de coisa é esta?

"Biobuscas, que espécie de coisa é esta?" é um projeto de educação ambiental desenhado para crianças dos 6 aos 10 anos. Consiste em passeios de natureza em que os participantes são desafiados a encontrar algumas espécies (animais e vegetais) e a marca-las em mapas de guias criados propositadamente para o efeito.
O passeio é também um "pretexto" para abordar conceitos como biodiversidade, sustentabilidade, respeito pela natureza e para responder às perguntas das crianças.

Participação gratuita com inscrição prévia através deste link.

A Noite Europeia dos Investigadores é um projeto financiado pela Comissão Europeia no âmbito das ações Marie Skłodowska Curie.
A Universidade de Évora como parceira do EU Project [819161] SCICITY - Ciência na Cidade, City - estará presente na Noite Europeia dos Investigadores 2018/2019, https://noitedosinvestigadores.org , que tem lugar no MUHNAC - UL, 28 de Setembro 2018, em Lisboa várias presenças de divulgação científica. O programa de Doutoramento de História e Filosofia da Ciência – Museologia, através da investigadora IHC-CEHFCi-U.E, Mariana Galera Soler, à conversa na NEI sobre objetos de coleções científicas e dos museus. Os objetos contam narrativas de História Natural, com rosto humano, histórias com gente á dentro, narrativas cientificas, culturais e, também, de dinâmicas sociais. A tenda da Universidade de Évora, com o IHC-CEHFCi e o HERCULES – U.E. - acolhe investigadores entusiasmados, instrumentos em ação científica, imagens, objetos para em conjunto dialogarem com visitantes de todas as idades, com desafio de atividades lúdicas...

Haverá ainda conversas com investigadores de várias outras instituições, que irão fazer brotar narrativas sobre a experiência científica no com o Museu Nacional do Rio de Janeiro, instituição primordial da pesquisa científica no Brasil, abalroada em Setembro de 2018, mas vital para a memória científica do mundo global e da diversidade cultural do mundo de Hoje.

This project has been supported by the EU under HORIZON 2020 in the framework of the Marie Skłodowska Curie actions
A partir da interação com os OBJECTOS de história natural da coleção de Frei Manuel do Cenáculo, promover um diálogo aberto sobre o histórico do Museu Nacional do Rio de Janeiro, destacando personagens, coleções e passagens que apontam para a magnitude da instituição, atingida pelo terrível incêndio em 2 de setembro de 2018. No final da sessão os participantes deverão deixar mensagens de apoio aos estudantes e profissionais da instituição brasileira, por meio de um grande mural, que ficará disponível também para os demais visitantes do Museu Frei Manuel do Cenáculo durante todo o mês de outubro.

Este será o Mural: Museu Nacional Vive também por aqui que será, posteriormente, enviado ao Museu Nacional do Rio de Janeiro, como homenagem e apoio da ciência cidadã portuguesa para com o Museu Nacional do Rio de Janeiro – Brasil.

Local:
Museu Frei Manuel de Cenáculo – Évora Largo do Conde de Vila Flor
Delegação Regional do Ministério da Cultura
Hora – 16:00 – 17:00 horas
Dinamização – Programa de Doutoramento de História e Filosofia da Ciência –
Museologia. Universidade de Évora - Mariana Galera Soler – doutoranda de HFC-
Museologia; Investigadora integrada IHC-CEHFCi-U.E.
Apoio DRC – Alentejo.